Seja bem-vindo!

Este blog é um dos produtos da pesquisa de Mestrado "Cuidado, frágil: aproximações e distanciamentos de trabalhadores de um CAPS na atenção ao suicídio" e inclui sugestões de leitura, frases que me marcaram e vídeos que podem ser utilizados por pessoas ou grupos como disparadores para discussão e reflexão da questão do suicídio – seja na prevenção ou na compreensão dos fatores que podem estar por trás deste fenômeno - buscando compreender o sofrimento que está por trás deste acontecimento.

domingo, 27 de novembro de 2016


Para falar sobre prevenção do suicídio, acredito que é preciso ir além de manuais e também mergulhar na literatura de ficção - e compreender que, ao contrário de uma visão reducionista que poderia classificar o fenômeno apenas como resultado de um transtorno mental, ele pode ser visto de forma ampliada, em diferentes versões.  

Os jovens personagens destes livros (que pensam em suicídio ou foram afetados por uma perda - sobreviventes) permitem que haja uma história complexa por trás do ato - como na realidade é.

E ainda podem ser uma forma de trabalhar esse tema com adolescentes. 

"A depressão é a imperfeição no amor. [ ...]. Quando ela chega, destrói o indivíduo e finalmente ofusca sua capacidade de dar ou receber afeição. Ela é a solidão dentro de nós que se torna manifesta e destrói não apenas a conexão com outros, mas também a capacidade de estar em paz consigo mesmo. Embora não previna contra a depressão, o amor é que tranquiliza a mente e a protege de si mesma. Medicamentos e psicoterapia podem renovar essa proteção, tornando mais fácil amar e ser amado, e é por isso que funcionam. Quando estão bem, certas pessoas amam a si mesmas, algumas amam a outros, há quem ame o trabalho e quem ame Deus: qualquer uma dessas paixões pode oferecer o sentido vital de propósito, que é o oposto da depressão".

- Andrew Solomon in "O demônio do meio-dia" (p. 15).


domingo, 20 de novembro de 2016

Perdão, Leonard Peacock ______________________ Matthew Quick


Dica de livro [Atenção: contém spoilers]

"Perdão, Leonard Peacock", de Matthew Quick (o autor de "O lado bom da vida". Comecei e acabei de ler esse livro em um dia ...

Sinopse: "Hoje é o aniversário de [18 anos de] Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich.
Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto.

Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto".


A história vai apresentando os motivos de Leonard para pensar em matar seu ex-amigo e se matar no dia do seu 18º aniversário, bem como sua busca para encontrar um motivo para não conseguir isso ... Ao longo do dia, Leonard quer se despedir de quatro pessoas que foram importantes para ele, deixando para cada uma um presente.

"Quero me despedir deles adequadamente. Quero dar para cada um algo que os faça se lembrar de mim. Para que saibam que eu realmente me preocupo com eles e que lamento não ter sido mais do que fui - não poder ter continuado por perto - e que o acontecerá hoje não é culpa deles" (p. 13). 


Leonard respeita e admira muito seu professor Silverman. Ele valoriza seus alunos, fazendo questão de cumprimentar a todos no início de cada aula, além de realmente procurar estimulá-los em suas aulas. Leonard tem observado que o professor sempre tem os braços cobertos, mesmo nos dias quentes, e começa a imaginar se o professor tem alguma cicatriz que gostaria de esconder.

"Para mim é difícil crer que Herr Silverman tenha tentado se suicidar, porque ele é uma pessoa muito centrada hoje em dia; é realmente o adulto mais admirável que conheço. Às vezes, chego a desejar que em algum momento ele tenha se sentido vazio, sem esperança e desamparado o bastante para cortar os pulsos até os ossos, porque, se ele sentiu essas coisas horríveis e sobreviveu para se tornar um adulto tão fantástico, então talvez haja esperança para mim" (p. 14-15). 

"- Minha vida vai melhorar? Você acredita mesmo nisso? - pergunto, embora eu saiba o que ele vai dizer, o que a maioria dos adultos sente que precisa ser dito quando lhe fazem esta pergunta, embora a enorme quantidade de evidências e experiências de vida sugiram que a vida das pessoas fica cada vez pior até elas morrerem. A maioria dos adultos simplesmente não é feliz, isto é um fato. Mas eu sei que soará menos mentiroso vindo de Herr Silverman. 
- É possível. Se você estiver disposto a fazer com que isso aconteça. 
- Acontecer o quê? 
- Não deixar o mundo destruí-lo. Essa é uma batalha diária" (p. 187).

O mistério dos braços cobertos acaba sendo um gancho para um pedido de ajuda por parte de Leonard ...

As "cartas do futuro", ideia do seu professor preferido, também são muito significativas. Nelas, Leonard tenta imaginar para si mesmo um futuro bem diferente, no qual ele encontra todo o afeto que gostaria de encontrar no seu presente. 

Trechos de uma delas: 

"[...] Você acredita no futuro agora. É fácil para você, porque ama o presente. E, também, porque agora você tem S. Você ainda fica melancólico algumas vezes, especialmente quando pensa no passado, mas geralmente você é feliz. É uma vida boa e estranha. Somos uma pequena família feliz. Eu entendo que você esteja passando por um momento difícil, Leonard. [...] Eu sei que você realmente quer matar aquele certo alguém. Que você se sente abandonado por seus pais. Desprezado na escola. Sozinho. Sem amigos. Preso. Com medo.

Seu passado - aquilo que você está experimentando atualmente - seria difícil para qualquer um suportar. Você teve de ser muito forte para conseguir chegar tão longe. Admiro sua coragem, e espero que você possa aguentar mais um pouco. Vinte anos parecem muito tempo, aposto, mas vão passar mais rápido do que você pode imaginar.


Eu sei que você só quer que tudo acabe, que não consegue ver nada de bom em seu futuro, que o mundo parece escuro e terrível, e talvez você tenha razão, o mundo pode ser, definitivamente, um lugar apavorante. Eu sei que você mal está suportando. Mas, por favor, aguente mais um pouco. Por nós. Por si mesmo. [...] Um estranho, belo e novo mundo o aguarda, Leonard. Nós encontramos um oásis em suas ruínas. De verdade.
Se quiser conhecê-lo, apenas aguente, está bem?" (p. 36-37).


Enfim, um livro muito bem escrito sobre a importância dos encontros que temos ao longo das nossas vidas.

domingo, 13 de novembro de 2016

“[...] um dos maiores enigmas continua sendo a relação do homem com sua vida e, consequentemente, com sua morte, já que começamos a nos convencer de que a morte é parte da vida e a maneira de morrer é parte integral da maneira de viver de um indivíduo’. (p. XI). Desta maneira, o suicídio está longe de ser um comportamento simples, e ‘qualquer um que afirme que há respostas fáceis, para essa complicada questão humana, simplesmente não compreende a natureza do homem’ (SHNEIDMAN, 1975, p. 1774).

In: WERLANG, Blanca. “Proposta de uma entrevista semi-estruturada para autópsia psicológica em casos de suicídio” (2000, p. 33)



domingo, 6 de novembro de 2016


Tristeza e dignidade do suicídio ___________________ Contardo Calligaris

"O ato suicida guarda sua dignidade porque é imprevisível como qualquer ato humano

Quando eu tinha 12 anos, um tio meu se suicidou. Era um tio de quem eu gostava e que gostava de mim. Ele enfiou a cabeça no forno e abriu a torneira do gás. Deixou uma nota, sucinta, que dizia: "Suicídio por razões profissionais e amorosas".
Meus pais não esconderam de mim as circunstâncias da morte do tio e me mostraram seu bilhete. Mesmo assim, imaginei perceber, em meus pais, uma certa vergonha. Isso, porque, no fundo, eu os culpava. 
Foi a grande crise na minha idealização dos meus pais e, por conseqüência, na tranqüilidade de meu mundo: aparentemente, a amizade e o amor que eles ofereciam não tinham sido suficientes para dar a meu tio a vontade de continuar vivendo. 
Nada me garantia, portanto, que eles saberiam fazer o necessário para que eu estivesse a fim de viver. 
Foi assim que o luto pelo suicídio do meu tio foi também o fim de minha infância. Mas, em regra, quando se suicida um próximo de quem gostamos e que gostava de nós, não atribuímos vergonha e culpa a terceiros: esses sentimentos surgem em nós, ao descobrir que nossa presença e nosso amor não bastaram para que o outro quisesse viver. Em alguns casos, essa ferida nunca cicatriza. 
Quando o suicida é nosso pai ou nossa mãe, o sentimento de não termos sido a razão suficiente para ele ou ela viverem fica conosco para sempre, como um fundo melancólico, como a sensação de uma insuficiência essencial ou de uma impossibilidade de sermos amados. 
Quando o suicida é um filho ou uma filha, a perda (irreparável, pois o luto pelos nossos descendentes é contra a ordem das gerações) é acompanhada pelo sentimento de um fracasso, como se não tivéssemos conseguido transmitir o básico: a vontade de viver. Deve ser por isso que os monoteísmos consideram o suicídio como um pecado contra o criador: o suicida demonstraria o malogro de Deus. Assisti ao filme "A Ponte", de Eric Steele, e espero que continue em cartaz. Em São Paulo, já passa em apenas uma sala, duas vezes por dia. 
Alguns anos atrás, Ted Friend publicou, na "New Yorker" (13/10/ 2003), um artigo sobre a estranha freqüência com que a famosa ponte Golden Gate de San Francisco é escolhida pelos suicidas. Aparentemente inspirado pelo artigo, Steele, durante um ano inteiro, filmou a ponte, sem parar. Houve 24 suicídios e várias tentativas que foram sustadas também graças à equipe de Steele (eles informavam a polícia quando detectavam, de longe, comportamentos "suspeitos"). 
Além disso, Steele entrevistou parentes e amigos próximos dos suicidas. O tom é justo, comovedor e tocante. O filme evita o caminho mais fácil, que consistiria em nos acusar sub-repticiamente, como se, quando alguém decide morrer, fôssemos todos, de uma maneira ou de outra, responsáveis. A maior qualidade do filme é, ao contrário, a sobriedade. O ato suicida guarda sua dignidade porque, apesar das explicações dos próximos, ele permanece misterioso e radicalmente imprevisível, como qualquer ato humano. 
[...]
Pensei nas poucas vezes em que, num tribunal, tive de dizer, em nome de minha "ciência", se alguém, a partir de então, seria ou não um bom pai ou uma boa mãe. 
A verdade é que, uma vez os fatos acontecidos, somos capazes de interpretar, de encontrar explicações e mesmo de assumir responsabilidades e culpas que temos ou não temos. Mas tudo isso apenas retroativamente. 
Em matéria de comportamento humano, somos quase sempre incapazes de prever. Não sei se é um mal: talvez essa ignorância seja a condição de nossa liberdade." 

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1309200732.htm