Seja bem-vindo!

Este blog é um dos produtos da pesquisa de Mestrado "Cuidado, frágil: aproximações e distanciamentos de trabalhadores de um CAPS na atenção ao suicídio" e inclui sugestões de leitura, frases que me marcaram e vídeos que podem ser utilizados por pessoas ou grupos como disparadores para discussão e reflexão da questão do suicídio – seja na prevenção ou na compreensão dos fatores que podem estar por trás deste fenômeno - buscando compreender o sofrimento que está por trás deste acontecimento.

domingo, 23 de julho de 2017

Livro: As virgens suicidas ________________________ Jeffrey Eugenides

Orelha do livro: "Num típico subúrbio dos Estados Unidos nos anos 1970, cinco irmãs adolescentes se matam em sequência e sem motivo plausível. A tragédia, ocorrida no seio de uma família que, em oposição aos efeitos já perceptíveis da revolução sexual, vive sob severas restrições morais e religiosas, é narrada pela voz coletiva e fascinada de um grupo de garotos da vizinhança. O coro lírico que então se forma ajuda a dar um tom sui generis a esta fábula da inocência perdida.
Adaptado ao cinema por Sofia Coppola, publicado em 34 idiomas, o livro de estreia de Jeffrey Eugenides rapidamente se tornou um cult da literatura norte-americana contemporânea". 

Da contracapa:

No livro, conhecemos a história da família Lisbon, com suas cinco filhas - Cecilia (13 anos), Lux (14 anos), Bonnie (15 anos), Mary (16 anos) e Therese (17 anos). A narrativa começa com a tentativa de suicídio de Cecilia ...

   
"Segurando o queixo da menina com delicadeza, o médico perguntou: 'O que você está fazendo aqui, meu bem? Você nem tem idade para saber o quanto a vida pode se tornar ruim'.
E foi então que Cecilia forneceu oralmente aquilo que seria sua única forma de bilhete de suicídio [...]: 'É óbvio, doutor', ela disse, 'você nunca foi uma menina de treze anos'" (p. 11).


"Todo mundo tinha uma teoria para explicar por que ela havia tentado se matar. Para a sra. Buell, a culpa era dos pais. 'Aquela menina não queria morrer', disse a nós.  'Tudo que ela queria era sair daquela casa' " (p. 20).



Nenhum comentário:

Postar um comentário